Lenda do risotto alla milanese

A lenda inventada pelos milaneses sobre a origem do risotto alla milanese é de que no ano de 1574, um mestre vitralista que trabalhava na catedral de Duomo de Milão e que por sua vez, tinha o hábito de sempre misturar açafrão a suas tintas, até que um dia deixou cair os pistilos em seu arroz, deixando o com aparência dourada e

mais apetitosa, ele provou, aprovou e as outras pessoas que provaram também. E vocé, acredita nessa versão? Ou só aprova mesmo o sabor do Risotto alla milanese?

Receita de Risotto alla milanese:

Ingredientes:

  • 3 gr de Açafrão em pistilo
  • 200 gr de Arroz Carnaroli
  • 80 gr de Manteiga integral sem sal
  • 1 gr Pimenta do reino preta
  • 1 cebola pera
  • 1,200 ml Fundo bovino
  • 70 gr de Queijo gran formaggio
  • 70 ml Vinho branco seco

Modo de preparo:

  • Corte a cebola em cubos pequenos
    Aqueça o açafrão em uma panela pequena limpa.
    Adicione 50ml de água.
  • Reserve.
  • Porcione a manteiga em uma porção de 20g e outra de 60g.
  • Coloque 20g de manteiga numa panela de fundo grosso junto com a cebola brunoise. Corte as porções de manteiga em cubos e mantenha-as geladas.
  • Aqueça o fundo bovino
  • Coloque 20g de manteiga numa panela de fundo grosso junto com a cebola.
  • Sue as cebolas e refogue sobre fogo baixo até que reduzam.
  • Adicione o arroz.
  • Refogue até grãos de arroz perolarem. (superfície transparente)
  • Tempere com sal.
  • Deglace com vinho branco
  • Deixe evaporar o álcool.
    Adicione o açafrão hidratado.
  • Dê continuidade a cocção adicionando um pouco do fundo escuro, até obter o cozimento al dente.
  • Retire do fogo para realizar a mantecatura.
  • Realize a mantecatura com 60g da manteiga gelada em cubos e o grana padano ralado.
  • Sirva all’onda.

Tipos de grãos de milho para Pipoca

Olá Pessoal, hoje vamos falar sobre os dois tipos de grãos de milho de pipoca mais utilizados. Você sabe quais são? E suas diferenças?

A Pipoca Amarela – Tipo A, é o tipo de milho de pipoca mais comum do Brasil.

É um tipo de milho que possui tamanho, forma, nível de amido e índice de umidade específicos, sua casca exterior dura e um centro de amido suave. Quando aquecido, a umidade natural dentro do núcleo torna-se vapor e aumenta a pressão suficiente que eventualmente explode. Suas duas variações mais comuns são a Mushroom e a Butterfly.

Milho Mushroom:

A pipoca do tipo Mushroom, traduzido do inglês “cogumelo”, também conhecido como pipoca bolinha, são milhos de pipocas que, quando estourados, geralmente apresentam formato redondo e regular, geralmente maiores do que a pipoca comum.

Pipoca doce feita com Mushroom

Milho Butterfly:

O tipo de milho Butterfly, traduzido em português “borboleta”, é a mais encontrada nos mercados. Possui um formato mais irregular, um corpo central, com braços em diferentes direções, semelhante ao formato de uma borboleta, o que a torna quebrável com mais facilidade.

Pipoca salgada feita com Butterfly

Qual é a melhor?

Caso vc vá fazer pipoca salgada, o tipo de grão não faz tanta diferença, embora há quem prefira o borboleta, por acreditar que o sal e ingredientes líquidos como manteiga derretida e azeite fiquem retidos nas cavidades que este tipo possui. Já quando a receita for de pipoca doce, onde é necessário mexer com uma colher, e misturar as pipocas ao caramelo, se vc vir a optar pela butterfly seu resultado final pode ser prejudicado pois ela tende a quebrar com mais facilidade, enquanto que a Mushroom com seu formato redondo favorece a aderência do caramelo, proporcionando uma mistura mais homogênea e um resultado final perfeito.

Forte de Copacabana

Hoje vim falar de um lugar que amei conhecer e que fica na minha cidade Maravilhosa, o Forte de Copacabana.  Nos tempos de Colônia, vários fortes foram construídos no Brasil, como forma de proteção de invasores ao nosso território. O Forte de Copacabana foi construído no promontório da igrejinha de Nossa Senhora de Copacabana ou como diriam os indígenas Sacopenapan, nome dado devido a característica da região cujos rochedos avançavam contra o mar na direção da entrada da Baía de Guanabara, o que proporciona excelente área para posicionar peças de artilharia.

IMG_4134 (1).jpg
Fim de tarde no Forte de Copa

Hoje o forte abriga uma bela vista, lojinhas, um museu, exposições e dois restaurantes, o Café 18 do forte e a Confeitaria Colombo.

Somente a vista já valeria a visita, para mim é uma das mais belas vistas do Rio, do Brasil… De dar inveja ao mundo! Algo que somente estando lá para ver, fotos não são capazes de reproduzir (pelo menos não a que tirei RS).  Há banquinhos espalhados e até uma espécie de binóculo para apreciar a paisagem. Na ponta do Forte, encravado na rocha, encontram-se os canhões alemães Krupp, instalados em cúpulas encouraçadas e giratórias.  As exposições contam a história do nosso Brasil com objetos ligados aos militares.  O Salão colônia nos conta sobre o descobrimento, passa pela expansão territorial, o surgimento do exército brasileiro, pela proclamação da independência, até por fim chegar aos acervos originais de Marechal Deodoro da Fonseca.

Objetos de Marechal da Fonseca

img_4146.jpg

Descobrimento

Para encerrar com chave de ouro é hora de sentar um pouquinho, (pois vc provavelmente terá subido e descido alguns degraus no museu, hehehe) e apreciar uma boa refeição com uma vista incrível.

Acredito que pela tradição o mais cheio seja sempre a Confeitaria Colombo. No dia e hora que fui não estavam tão cheios, pois fui no fim da tarde, a pedido da Letícia que queria ver as luzes, sim ela é da noite. Escolhi o café 18 por já ter ouvido falar e amei, muito bem servido,  e delicioso. O meu pedido foi: CAFÉ DO FORTE PARA DUAS PESSOAS: Cesta de pães, acompanhado de manteiga, frios, ovos mexidos com bacon, muesli com frutas frescas e mel silvestre, bolo do dia e bolinhos de chuva com doce de leite e geleia da casa.  E dois cappuccinos. R$86,00.

Praça Coronel Eugênio Franco nº 1 – Posto 6 / Copacabana – Rio de Janeiro

Horário de funcionamento: Museu Histórico do Exército, Fortificação e Exposições: de terça a domingo e feriados, das 10h às 18h. Área externa, Cafés e Loja: de terça a domingo e feriados, das 10h às 20h. 

Entrada: Adultos – R$ 6,00 // Estudantes das redes pública e privada (com carteira de estudante ou boleto/declaração) – R$ 3,00 // Idosos acima de 60 anos – R$ 3,00 // Professores das redes municipal, estadual e federal (com carteira de professor) – R$ 3,00 // Militares das Forças Armadas e dependentes, maiores de 80 anos, grupos agendados e menores de 10 anos – Isento

Após as 18 horas a entrada é livre.

Brownie

O brownie é um doce norte americano apreciado no mundo todo. Você sabia que no ano de 1896 a primeira receita de Brownie apareceu no The Bostons Cooking -School Cook Book, como biscoitos feitos com melaço?

Já o Brownie “bolo que não cresce” apareceu na edição do mesmo livro no ano de 1906.

Brownie vendido no parque da Disney
Brownie vendido no parque da Disney
Meu browniezin
Meu browniezin

Receita de Brownie:

170 g de farinha de trigo
140 g de chocolate em pó 50% cacau
4 g (1 colher das de chá) de fermento em pó
3 g (2 pitadas) de sal
180 g de manteiga sem sal derretida

15 ml de água
330 g de açúcar refinado
120 g de ovos
20 ml (2 colheres das de sopa) de essência de baunilha
80 g  avelãs (ou outra oleaginosa)

Modo de preparo:
• Preaqueça o forno a 180º C e unte uma forma de 20 x 20 cm com manteiga e farinha ou  papel–manteiga.
• Em um recipiente, peneire farinha, chocolate em pó, fermento e sal.
• Em outro bowl, usando um fuê, misture a manteiga derretida com o açúcar e a água.
• Adicione os ovos, a essência de baunilha e misture.
• Junte à todos os secos e misture.
• Por fim, adicione as castanhas.
• Espalhe na forma untada e leve ao forno por aproximadamente 20 a 25 minutos.
• Leve à geladeira por, pelo menos, 1 hora antes de cortar

giphy-downsized-2

Aproveite 😛